Autoridade alerta sobre os riscos de “selfie” em locais perigosos


:: Diário Regional em 13/08/2017 06:49 ::

De posse das novas tecnologias, da internet, das redes sociais e de smartphones cada vez mais potentes, o desafio pela foto ideal se tornou bem mais fácil. Desde que “viralizou” em 2013 e ganhou espaço até nos dicionários, a palavra “Selfie”, sinônimo de autorretrato, conforme os glossários, se tornou moda. Até então, ninguém poderia imaginar que um simples clique poderia se tornar algo tão fatal, entretanto, para conseguir fotos ainda mais ousadas e as famosas curtidas nas redes sociais, pessoas vêm se aventurando em lugares inusitados e acabam sofrendo as consequências.

É o caso de um adolescente de 17 anos, que faleceu na quarta-feira, 9, depois de tirar uma selfie em uma linha férrea da cidade de Governador Valadares, região do Vale do Rio Doce.

Conforme as informações da Polícia Militar (PM), o jovem estava tão concentrado na selfie que não percebeu o trem chegar. Ainda segundo a PM, a vítima estava na companhia de outro adolescente, de 15 anos, na altura do KM 314 da linha férrea. O amigo teria contado aos militares que a vítima fez uso de droga antes do ocorrido. Uma porção de maconha foi encontrada nas proximidades do local, além de papel seda e um colírio no bolso do garoto.

De acordo com a assessora do Corpo de Bombeiros, a tenente Priscila Adonay, embora não pareça ser uma situação de risco, as selfies podem ser responsáveis por vários acidentes e, inclusive, levar a morte. “As pessoas focam na foto e não se concentram no entorno, nas coisas que estão acontecendo ao seu redor e acabam se machucando”, explicou.

Ela reforçou que o Corpo de Bombeiros ainda não possui um levantamento estatístico sobre o número de mortes e de pessoas feridas relacionadas às fotos, mas que a companhia percebeu um aumento considerável neste tipo de acidente. Priscila chamou atenção para as principais vítimas, que são os jovens, segundo ela, por estarem mais antenados às tecnologias. Ela citou também outro caso recente, que envolve uma criança de 4 anos, que morreu eletrocutada após esbarrar um “pau de selfie” na fiação elétrica, na cidade de Lima Duarte, no dia 13 de junho. “É mais uma situação de desatenção, onde uma simples foto se tornou motivo de tragédia”, destacou.

Priscila orientou ainda sobre os cuidados que precisam ser tomados no momento das fotos. “As pessoas devem evitar as selfies em locais de risco ou com grande movimentação de pessoas e carros. O ideal é que ela tire as fotos perto de outra pessoa para evitar acidentes, pois alguém fora da situação consegue observar melhor os perigos”, finalizou.

Clique aqui para ver esta matéria na fonte original.

Anúncios