Corredor da Folia – Rita Benneditto e Ingoma interpretam cancioneiro popular nesta quarta


:: Prefeitura em 06/02/2018 16:17 ::

0602_pjf_ingoma_release_151308.jpg
O segundo dia do Corredor da Folia, promovido pela Prefeitura de Juiz de Fora (PJF)/Fundação Cultural Alfredo Ferreira Lage (Funalfa), vai embalar a cidade no ritmo afro-brasileiro. Nesta quarta-feira, 7, a Praça Antônio Carlos será palco do show Ingoma Convida Rita Benneditto. A partir das 19h30, a cantora maranhense dividirá o palco com o grupo juiz-forano, que no dia 1º comandou cortejo com cerca de 70 tambores na Rua Halfeld.

Fazendo esquenta para o show, a bateria do Bloco Arrastão do Samba se apresentará às 18 horas.

Segundo o músico, compositor e arranjador Lucas Soares, coordenador do Ingoma, a presença de Rita Benneditto é honra e reconhecimento ao trabalho artístico e de pesquisa do grupo. Ele destacou o papel da cantora como referência de pesquisa da música popular de matriz afro-brasileira, repaginando-a e mesclando a ancestralidade com a modernidade, como revela o título de um de seus discos mais conhecidos, o Tecnomacumba, fruto do show homônimo, cujo projeto completa 15 anos em 2018.

Lucas observou que essa mistura também está no cerne do trabalho do Ingoma. Tanto assim que o cortejo do dia 1° foi pautado nas toadas tradicionais do congado mineiro. Para o show desta quarta, o público pode esperar um repertório marcado por músicas conhecidas do cancioneiro popular brasileiro, em releituras que trazem consigo a mistura da pesquisa do grupo sobre os ritmos da tradição e do congado. Incluem-se aí, também, músicas conhecidas da carreira de Rita Benneditto.

Rita Benneditto

Esse é o nome artístico escolhido pela cantora maranhense Rita Ribeiro, em 2012, homenageando seu pai, Fausto Benedito Ribeiro, e sua cidade natal, São Benedito do Rio Preto. O primeiro show solo, Cunhã, foi apresentado em 1989, no Teatro Municipal Arthur de Azevedo, em São Luís do Maranhão, sob direção de Zeca Baleiro. Foi ele também quem produziu, juntamente com Mario Manga, o primeiro CD da cantora, que completou duas décadas no ano passado.

Com carreira sólida, cinco álbuns de estúdio, três ao vivo e duas coletâneas, Rita Benneditto é reconhecida nacional e internacionalmente. Em 1999, quando lançou o disco Pérolas aos Povos, participou, ao lado de Ney Matogrosso, Milton Nascimento, Zeca Baleiro e Chico César da noite brasileira do Festival de Jazz de Montreux, na Suíça, e foi convidada para se apresentar no Festival Brasil-Caracas, na Venezuela.

Em 2000, Rita Benneditto foi convidada a participar do Festival Todos os Cantos do Mundo, dividindo o palco com Lokua Kanza. Ainda nesse ano teve seu CD lançado nos Estados Unidos e Canadá, pela gravadora Putumayo World Music, que resultou na realização de turnê internacional. O disco foi indicado como um dos melhores do mundo ao 43° Grammy Awards, na categoria álbum de pop latino, em fevereiro de 2001.

A popularidade cresceu ainda mais, com o lançamento do disco Tecnomacumba. Em 2005, o projeto ganhou o Prêmio Rival Petrobras de Música, na categoria Melhor Show.

* Informações com a Assessoria de Comunicação da Funalfa 3690-7044.

Clique aqui para ver esta matéria na fonte original.

Anúncios