Shows do carnaval de JF são interrompidos para folia terminar às 21h


:: TM Cultura em 09/02/2018 21:47 ::

matheus-vk-gil-veloso.jpgMatheus VK, contratado para o pré-carnaval de JF, teve show interrompido a pedido da PM (Foto: Gil Velloso/ Divulgação)

Os três shows realizados entre terça (6) e quinta-feira (8) desta semana, dentro da programação oficial do carnaval, na Praça Antônio Carlos, não foram concluídos como o planejado. Terminaram antes do bis e pontualmente às 21h, conforme acordo firmado pela comissão de carnaval, que inclui diferentes setores da Prefeitura, Corpo de Bombeiros, Polícia Militar e associações de moradores.

Ao custo de R$ 26 mil para o Poder Público, a apresentação do carioca Bloco Fogo & Paixão teve seu término anunciado às 20h52.

Logo que a canção foi concluída e diante dos pedidos da plateia de mais de mil pessoas, o vocalista Matheus VK anunciou: “A gente foi liberado para tocar mais uma música”. Diante da permissão da organização, a cargo da Funalfa, a Polícia Militar exigiu o imediato desligamento das caixas de som do evento. O episódio repetiu-se no espetáculo de Alessandra Crispim e Thiago Miranda, na terça (6), e do grupo de tambor Ingoma com a maranhense Rita Benneditto, que, na quarta (7), lamentou em cena a interrupção após exigência da PM.

“Entendemos que a Polícia Militar é importante por colocar seu efetivo na rua. O público na Praça Antônio Carlos, por três dias, têm sido muito alegre e divertido. Não vimos, eu e os funcionários da Funalfa, nenhum ponto focal de confusão. Nesses três dias, embora estivesse transcorrendo a normalidade, a polícia pediu para acabar pontualmente às 21h. Procuramos acabar nesse horário, mas algumas situações fogem do controle na organização de um evento. Talvez acabasse 21h05 ou 21h10. O problema foi a falta de diálogo”, pontua o superintendente da Funalfa Rômulo Veiga, que ainda in loco tentou negociar, sem êxito.

“Representantes da Polícia subiram ao palco e pediram para desligar o som, o que pode excitar ainda mais o público, que vai se sentir expulso da praça”, acrescenta, referindo-se aos gritos de “Eu não vou embora”, ouvidos no final da apresentação do Fogo & Paixão de uma plateia frustrada.

“A orientação é cumprir com o que foi combinado. Houve uma comissão antes de começar o carnaval, que padronizou os horários, que devem ser cumpridos à risca. Os horários de todos os blocos e shows é até 21h, o horário exato de terminar”, afirma o comandante da 30ª Companhia da Polícia Militar, responsável pela segurança da região central, capitão Alexandre Barbosa Antunes.

“A orientação para desligar o som foi minha, para cumprir com o que foi combinado”, assume, caracterizando como legítimo o ato. “Acho que é um gesto legal.” Segundo o militar, a interrupção do espetáculo é um problema relativo à organização do evento. “Tem que começar o show na hora que está programada e terminar no horário previsto. Minha preocupação é com a segurança pública. O mesmo policial que faz a segurança ontem faz hoje e amanhã. Os horários devem ser cumpridos à risca. Não tem flexibilidade”, radicaliza.
Clique na imagem para ver o vídeo:
0.jpg

Folia frustrada

De acordo com o superintendente da Funalfa, trata-se de uma atitude alheia às práticas culturais e artísticas, tão alardeadas como eixo de transformação social. “Todo artista faz um encaminhamento para terminar seu show. E atrasamos um pouco no início não por questões técnicas, mas porque as pessoas estão saindo do trabalho. Todos os dias os eventos começaram com dez pessoas e terminou com 1.500 ou 2.000. É natural que atrase, portanto. A polícia não pode interferir diretamente na organização de um evento que a Funalfa faz. Podem repreender depois, pedir para conversar, buscar mudanças para o ano que vem. Um evento é um ecossistema extremamente complexo, que vai do público ao artista, que é contratado por um prazo, representando um custo para Prefeitura. Não é tão simples desligar o som. Entendemos desligar no caso de uma briga, mas, sem motivo algum, interromper um show como tem sido solicitado pela polícia entendemos que não é a maneira correta. Pela experiência que a Funalfa tem, entendemos que esse tipo de gesto é pior, porque o público se revolta”, observa Rômulo Veiga.

“Normalmente (os shows) acabavam às 22h. Ano passado acabaram às 21h30. Esse ano a Polícia pediu para acabar 30 minutos antes, passando para 21h. Para o ano que vem, vamos tentar, pelo menos, voltar para 21h30 ou 22h. Ano passado não teve problema. Não entendemos essa restrição de mais meia hora”, questiona o gestor da Funalfa, apontando para a ausência de diálogo numa comissão que visava dar celeridade aos pedidos de apoio e organização da folia na cidade. “Em todas as reuniões da comissão de carnaval, solicitamos que estendessem o horário. Não houve diálogo. Não houve concessão. Entendemos, então, que se tratava de motivos concretos e atendemos. Mas para o próximos anos esperamos estender mais meia hora”, compromete-se, reconhecendo as interrupções como desestímulo à folia. “As pessoas ficam frustradas. A população demanda festividades carnavalescas. Inclusive, é uma garantia constitucional o direito à felicidade e à dignidade humana.”

Autoridades negam orientação para “limpar” praça

Segundo relato de foliões, a Polícia Militar teria atuado com truculência para a evacuação da Praça Antônio Carlos, após o encerramento dos shows. De acordo com o capitão Alexandre Barbosa Antunes, comandante da 30ª Companhia da Polícia Militar, responsável pela segurança da região central, a orientação é fazer valer a Lei do Silêncio, que estipula o limite de 22h. “A orientação é: deu o horário, a gente avisa, falando ‘Meu amigo, sua licença vai até tal hora’. A partir daí, ele está sujeito a sanções que nem são da Polícia Militar, mas da Prefeitura, com multa e apreensão da mercadoria”, diz, negando que os militares atuaram na dispersão do público. Questionado sobre uma possível intimidação da plateia pela presença de policiais com cassetetes em punho, o assessor da 4ª Região da Polícia Militar (4ª RPM), major Jovânio Campos, observa que “esta não é a filosofia que a Polícia Militar vem, de maneira institucionalizada, adotando”.

Os relatos sobre possíveis atitudes truculentas para fazer valer, com rigor excessivo, horários predefinidos e argumentações sobre a necessidade de se “limpar” a Praça Antônio Carlos também foram atribuídos a guardas municipais e fiscais da Secretaria de Atividades Urbanas (SAU). Assim, a reportagem levou tais questionamentos à SAU e à Secretaria de Segurança e Cidadania (Sesuc). A despeito de testemunhas afirmarem à Tribuna que, de fato, integrantes da corporação declararam a foliões sobre a obrigatoriedade de se evacuar o espaço público após o término das atrações, a Guarda Municipal (GM) disse que “não há orientação de ‘limpar a praça’. Não é essa a competência do órgão.”

Em nota encaminhada por meio da assessoria de imprensa da Sesuc, a GM ressaltou que sua função é a de apoiar a equipe de fiscalização de posturas da Secretaria de Atividades Urbanas, “que orienta aos ambulantes irregulares que, ao término do evento, eles devem se retirar do local”. A Guarda ainda afirmou que seus integrantes participaram de capacitação específica e reciclagem para atuar no carnaval, na forma de prevenção ostensiva nas vias de acesso ao trajeto dos foliões, visando a garantir a segurança e a proteção de bens, serviços e instalações do município, bem como a atuação de servidores da Prefeitura. “A capacitação acontece de forma continuada. A GM atua há nove anos no carnaval de Juiz de Fora, e nunca foi registrada uma intercorrência”, reforça a nota da Sesuc.

A Secretaria de Atividades Urbanas também negou que os fiscais tenham qualquer orientação para atuar na evacuação da Praça Antônio Carlos após os shows. Também por meio de nota, a SAU reforçou que a atuação de seus servidores tem por objetivo realizar o ordenamento dos vendedores nas vias públicas, para que não aconteça a comercialização de produtos em vasilhames de vidro e serpentinas metálicas, além de obstrução do espaço por mesas e cadeiras, entre outros pontos específicos. Segundo a pasta, tal organização é necessária de forma a garantir a passagem dos blocos com segurança.

The post Shows do carnaval de JF são interrompidos para folia terminar às 21h appeared first on Tribuna de Minas.

Clique aqui para ver esta matéria na fonte original.