Cada vez mais diretores buscam trabalhar com atores não profissionais


:: TM Cultura em 12/02/2018 14:48 ::

cinemCAPA.jpgO desejo de registrar as reações da pessoa, do ator e da atriz em si, e não da personagem, é uma das características do cinema contemporâneo

Há uma tendência de hibridização entre o cinema de ficção e o documentário. As classificações se confundem. Isso me faz pensar nos motivos de muitos realizadores estarem buscando trabalhar com atores não profissionais, visando a um caráter de plena realidade.

Talvez não mais criando personagens, mas buscando escolher aqueles que já existem na vida real e inserindo-os em suas narrativas. Alguns filmes surgem, inclusive, a partir do registro de uma pessoa, suas histórias de vida e a interação com o ambiente em que vive, construindo uma narrativa ficcional com camadas de realidade. Mas qual o lugar das atrizes e atores dentro deste panorama, sobretudo aqueles e aquelas que estudam teatro e atuação como uma carreira?
Quando fiquei sabendo da oficina de Direção de Atores, que aconteceu na Mostra de Cinema de Tiradentes em janeiro, pensei na importância e no pouco espaço que se é dado a pensar neste assunto, envolvendo ainda teste e preparação de elenco. O instrutor de São Paulo, Eduardo Bordinhon, é ator de teatro e cinema, faz parte da Companhia de Teatro Acidental (SP), além de ser professor e pesquisador de direção de atores. Na oficina, que aconteceu ao longo de quatro dias da mostra, ele conseguiu um feito que muito desejava, que foi o de ocupar as 20 vagas da oficina quase metade para atores e metade para realizadores, estabelecendo esse vínculo entre diretor e elenco, que, por incrível que se possa parecer, não é muito próximo.

O movimento de aproximação do cinema com o teatro tem acontecido aos poucos, demonstrando uma vontade dos atores em se prepararem para atuar no cinema, por ser, talvez, uma arte que cresce no Brasil e que poderia ser espaço de oportunidade e experimentação para a classe que trabalha com teatro. “Quando dou aula de interpretação para cinema, muitos alunos perguntam sobre quais outros cursos eles deveriam fazer na área. E sempre digo: parem de fazer curso de atuação, atuar vocês já sabem, o que vocês precisam aprender é a linguagem do cinema. Poucas escolas de ator têm esse módulo. Então, comecem a fazer curso de cinema por uma dupla vantagem, às vezes você vai ser o único ator/atriz da turma, então todo mundo vai querer fazer exercício com você. E você vai entender, de fato, o que compõe a linguagem cinematográfica.”

De volta ao Cinema Novo

O movimento da arte contemporânea em buscar um material do concreto, da realidade, para suas produções, é uma retomada do que sempre ocorreu em filmes por uma escolha de gênero e estilo. “Isso não é novo. Eisenstein já fazia os filmes dele buscando o operário, porque ele queria o corpo daquela pessoa e sua vivência, com as marcas dos homens e mulheres que trabalhavam nas fábricas. Esses vestígios do real eram elementos que ele queria trazer para o cinema. Pensando o cinema como foto, era o desejo de registrar esses corpos”, diz Bordinhon. Trazendo essa reflexão para a produção cinematográfica brasileira entre os anos 1960 e 1970, dentro do Cinema Novo, ele pensa nas obras do Rogério Sganzerla como exemplo. “Os filmes do Sganzerla, para mim, têm um paralelo muito forte com o teatro pós-dramático, que possui uma instância do performático. Ou seja, o que lhe interessa registrar são corpos fazendo essas ações e performances. Muito do que acontece no filme do Sganzerla se deve a ele e a Helena Ignez se amarem, ele tinha um desejo profundo em filmá-la, e ela, em ser filmada por ele. Tinha esse encontro entre esses corpos.”

Até mesmo os filmes biográficos estão sendo pensados de outras formas para se contar sobre corpos que já existem, e não mais apenas partindo de um ator que se assemelhe fisicamente sendo treinado a reproduzir trejeitos dos personagens reais. Um bom exemplo é “Não estou lá” (2007), filme biográfico sobre o compositor Bob Dylan, em que vários atores, de gêneros, idades e fisionomias diversificadas, são usados para “ser” Bob Dylan. “A gente tem muito esse fetiche do ator que virou o personagem. Quando se pensa o ator, pensa em se agregar coisas, mas o processo é inverso: como, a partir do meu próprio corpo, eu consigo me descamar a fim de que apareçam outras reflexões e outros corpos? O ator pode ser outra coisa sempre a partir do que já é”, reflete Eduardo Bordinhon.

A busca pela aproximação do real, do registro documental, também aponta para uma descrença em relação às técnicas para se chegar a uma atuação em que seja quase imperceptível o caráter de ficção. O desejo de registrar as reações da pessoa, do ator e da atriz em si, e não da personagem, é uma das características do cinema contemporâneo. Dessa forma, convidar atores não profissionais, mesmo realizando testes de elenco, é considerado mais justo com seus próprios anseios estéticos e narrativos. Principalmente quando os filmes são realizados em um recorte social muito específico, dentro de comunidades e culturas que possam construir o filme junto aos realizadores.

The post Cada vez mais diretores buscam trabalhar com atores não profissionais appeared first on Tribuna de Minas.

Clique aqui para ver esta matéria na fonte original.

Anúncios