Fora dos autos


:: TM Opinião em 13/02/2018 07:38 ::

O diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segovia, vive no pior dos mundos por conta própria. Em entrevista à Agência de Notícias Reuters, ele disse que tudo indica que o inquérito que investiga possíveis relações do presidente Michel Temer com uma empresa que atua nos portos deve ser arquivado. Ele não foi enfático, como foi divulgado na véspera, mas falou o suficiente para causar desconforto na corporação e indignação na opinião pública. Afinal, não é ele quem preside o inquérito, e, mesmo se fosse, não deveria antecipar qualquer eventual resultado.

Escolhido pelo presidente da República, com respaldo de seus aliados, para presidir a Polícia Federal, Segovia foi empossado sob o manto da dúvida.

Seus críticos o consideram um homem do Governo colocado num posto-chave para barrar investigações inoportunas contra o presidente ou seus aliados. Ele vem tentando desfazer essa impressão, mas seu depoimento à agência retorna a dúvida ao ponto zero.

Desde o mensalão, a Polícia Federal tem sido considerada a instituição mais prestigiada pelas ruas, por conta, sobretudo, das investigações que foram ou estão sendo feitas acima do viés partidário. Os inquéritos feitos pelos delegados e as ações levadas adiante pelo Ministério Público contemplaram gente do andar de cima de todas as tendências. Há ex-governadores e deputados presos e um expressivo número de políticos e empresários, que antes estavam fora do radar da polícia, respondendo a processos.

Por conta desse prestígio, o gesto do diretor-geral é um ato contra a própria instituição, daí o repúdio das associações de agentes e delegados que agora pedem a sua cabeça. Se vão conseguir, é outra coisa, mas a “boa vontade” do policial acabou saindo pela culatra, pois levou para dentro do Planalto uma dúvida que, até então, tinha poucos indícios de ser consolidada.

The post Fora dos autos appeared first on Tribuna de Minas.

Clique aqui para ver esta matéria na fonte original.