Coletivos levam luta contra opressões às ruas de JF na 2ª edição do 8M


:: TM Cidade em 08/03/2018 22:24 ::

manifestacao-8M-marcelo-3.jpgUnidos, coletivos saíram da Praça da Estação para ocupar a Rua Halfeld (Foto: Marcelo Ribeiro)

Na Marcha de Luta do 8M, que aconteceu nessa quinta-feira (8), mulheres de diversos setores se reuniram para levar suas vozes às ruas do Centro de Juiz de Fora. Ocupando o espaço público e resistindo às opressões também de formas diversas.

No microfone, as participantes encontravam espaço para expressar suas lutas e contar com a empatia das demais presentes, somando força ao movimento. A concentração aconteceu na Praça da Estação e seguiu pelo Calçadão da Rua Halfeld.

“Somos guerreiras, estamos na luta por um mundo mais fraterno e igualitário”, bradou a militante Bruna Leonardo. No avanço das falas, foram salientados os retrocessos, mas também houve momentos em que os ganhos foram celebrados. A também militante, assessora sindical e representante do Coletivo Maria Maria, Laiz Perrut, destacou que, no Paraguai, um projeto de Lei que ainda depende de aprovação propõe que as mulheres ocupem 50% dos cargos eletivos. “Nada é possível sem união. Esse passo no Paraguai já representa um avanço grande. Precisamos de mais mulheres em espaços institucionais. Seguiremos em marcha até que todas as mulheres sejam livres.”

A representante da União Brasileira de Mulheres (UBM), Cristina Castro, ressaltou a importância da luta contra a violência e a necessidade de aumentar a união entre as mulheres. “Para sairmos do golpe, precisamos de um Brasil desenvolvido, com trabalho digno e democracia. Sofremos muitos ataques e eles sempre penalizam mais a mulher. A Reforma da Previdência, por exemplo, não considera as jornadas duplas, triplas. Por isso, temos que continuar marchando.” Após o primeiro momento de fala, houve apresentação de capoeira do grupo De Dandara às Marias, criado há cerca de um ano, reunindo mulheres capoeiristas pertencentes a outros grupos, que se unem para lutar contra as opressões presentes em seu meio, levando a resistência para a cultura, assim como as artistas juiz-foranas fizeram mais tarde, em frente ao Cine -Theatro Central.

Ganho em organização

De acordo com Lucimara Reis, professora de História e integrante do Fórum 8M, um dos coletivos envolvidos com a organização da Marcha, a segunda edição do movimento e da greve cresceu em organização. “Muitas mulheres vieram no ano passado e perceberam que, dentro desse movimento horizontal, podem participar de maneira mais perene. Novos coletivos entraram para colaborar, mulheres independentes vieram e se integraram. Neste ano, a greve aumenta não só em Juiz de Fora, mas em todo mundo. Quem acompanhou a luta hoje, viu que elas pararam Madrid. Aqui, três categorias aderiram ao movimento. Ano passado tivemos uma.”

Outra ação ressaltada por Lucimara foi a entrega da Medalha Rosa Cabinda. “Que chamamos de antimedalha, porque é um movimento marginal dos coletivos que disputam espaços de poder, mas é oriundo de uma ação coletiva.”

manifestacao-8M-marcelo.jpgDurante a mobilização, houve apresentação de mulheres capoeiristas na Praça da Estação (Foto: Marcelo Ribeiro)

A partir da ato desta quinta, outras atividades foram agendadas para o resto do ano. Conforme Lucimara Reis, os debates sobre a Casa de Passagem para mulheres, sobre as egressas do sistema penal e sobre as que se encontram em situação de rua devem se intensificar. A capacidade de união dos coletivos, por meio do 8M, aumentou a percepção das diversidades, segundo ela. “Olhar cada fala e perceber que cada opressão é exercida de maneira diferenciada. A mulher branca sofre uma opressão, a negra outra, a indígena outra, a do campo outra. Esse encontro fez com que a empatia entre esses grupos aumentasse. Temos crescido, entendendo que o movimento feminista busca a igualdade entre os gêneros e estamos nos formando nesse processo.”

Nesse sentido, o balanço das atividades até aqui é, para Lucimara, extremamente positivo.

“Saímos mais fortificadas desse 8 de março. Com uma unidade mais construída. Unidade que, nesse momento do país, é fundamental. Também saímos com outras pautas agendadas, não só para avaliação, mas também para diversos encaminhamentos.”

Sobre as lutas que ainda devem ser levadas, ela frisa o combate para que a democracia seja mantida. “Há uma intervenção militar no Rio e, ainda que a democracia que temos não seja a que almejamos, ela está em risco. Precisamos estar atentas e o mais importante: na rua. Organizadas dentro de coletivos. Porque só nessa ocupação – na rua, no trabalho – fazemos pressão por representatividade na Câmara, no Senado, na Presidência. Também temos que entender que a eleição é uma frente de luta, mas não é a única.”

Lucimara Reis chama a atenção para a carência de mobilização da população como um todo. “Os brasileiros precisam entender que quem resolve os problemas da população é a população. Quem vai demandar políticas públicas para mulheres são as próprias mulheres. Isso só acontece com organização e diálogo.”

The post Coletivos levam luta contra opressões às ruas de JF na 2ª edição do 8M appeared first on Tribuna de Minas.

Clique aqui para ver esta matéria na fonte original.

Anúncios