Praça CEU comemora três anos como referência de esporte e cultura na zona norte


:: Prefeitura em 14/03/2018 18:38 ::

1403_praca_ceu_180306.JPG
Considerado um dos investimentos mais importantes na zona norte de Juiz de Fora, o Centro de Artes e Esportes Unificados Coronel Adelmir Romualdo de Oliveira (Praça CEU) completa três anos nesta quinta-feira, 15. O espaço, mantido pela Prefeitura de Juiz de Fora (PJF) e gerenciado pela Fundação Cultural Alfredo Ferreira Lage (Funalfa), em parceria com a Associação Cultural Arte e Vida (Acav), abriga diversas ações nas áreas de cultura e esporte, sendo considerado modelo bem-sucedido de equipamento urbano.

O aniversário da praça, instalada na Avenida Juscelino Kubitschek, 5.899, Bairro Benfica, será comemorado com atividades durante março, com campeonatos esportivos e espetáculo de teatro e dança. Nesta quinta-feira haverá Oficina de Escrita Criativa, ministrada pela professora Débora Maciel (mestre em Literatura), com 60 vagas para pessoas com idade mínima de 13 anos. Confira a programação em anexo.

Nos três primeiros anos de funcionamento, diversos indicadores sinalizam o êxito da Praça CEU, como a frequência às 13 oficinas regulares de esporte e cultura, que oferecem 1.200 vagas e têm 3.678 nomes na fila de espera. As duas quadras de esporte atingem média de 200 empréstimos por mês, quando são cedidos materiais como bolas e raquetes para tênis de mesa. Semanalmente, cerca de quatro mil pessoas de todas as faixas etárias circulam pela praça. Soma-se a isso o baixo índice de vandalismo e violência no espaço.

Diante de números tão exitosos, nossa responsabilidade como gestores aumenta. Precisamos não apenas manter, mas também estreitar os vínculos com a comunidade da zona norte. Essa sintonia é fundamental para que possamos perceber as demandas e investir no que ainda cabe realizar, analisou o coordenador-geral do CEU, André Noronha. A parceria e o diálogo são os sustentáculos da gestão eficiente do espaço, e a comunidade tem sua participação garantida por meio do conselho gestor.

Uma das integrantes do conselho é Maria Elizabeth de Oliveira, que há dez anos exerce o cargo de diretora da Escola Estadual Almirante Barroso, vizinha à praça: O CEU oferece aos nossos alunos área de lazer, com espaços cobertos e ao ar livre. Temos certeza de que o equipamento está sempre ao nosso dispor. Sempre que solicitamos conseguimos acessar o anfiteatro e participamos de oficinas pedagógicas. A sugestão da escola também foi considerada na hora da compra do acervo da biblioteca do espaço. Tenho muito orgulho da parceria que construímos ao longo desses três anos.

A psicóloga Lara Calais, que há um ano e meio desenvolve trabalho no local, também fez avaliação positiva do CEU: Acho importante a existência do equipamento como forma de a comunidade se apropriar daquilo que lhe é de direito e estabelecer relações de pertencimento. É interessante aproveitar a circulação das pessoas para trabalhar questões ligadas à desigualdade social, lógicas de discriminação e exclusão e a desconstrução dessas realidades, por meio da cultura e da arte.

Para Márcia Pacienza, 41 anos, a praça funciona como centro propulsor de desenvolvimento para a região: Toda a zona norte foi beneficiada com o investimento, e até mesmo pessoas de outras áreas da cidade. O local é de fácil acesso, passa ônibus toda hora. Tem aulas para pessoas de todas as idades. Eu faço violão, e minha filha cursa dança. É um espaço maravilhoso. É só vir conferir!
Com 11 anos, Yasmim Maria Fonseca, aluna de balé e teatro, demonstrou maturidade na avaliação do CEU: O que acho mais importante é que aqui todas as pessoas podem vir. Tem lugares onde é necessário pagar, então nem todo mundo tem condição.

Raíssa Silva, 21, destacou outro aspecto: o convívio social harmônico e a possibilidade de aumentar o círculo de amizades. Aluna do futsal feminino, ela afirmou que as atividades no equipamento urbano ajudaram a tirar muita gente da rua: Aqui, a gente conhece várias pessoas, aprende, ensina, convive… Fazer novas amizades é uma das melhores coisas que acontecem. A praça abre portas não só no esporte, mas também na cultura, além de oferecer serviços.

* Informações com a Assessoria de Comunicação da Funalfa 3690-7044.

Clique aqui para ver esta matéria na fonte original.

Anúncios