Casabsurda 703 recebe primeira edição da ‘Verniz’


:: TM Cultura em 18/05/2018 07:49 ::

Verniz-2.jpgArtistas das mais diversas áreas apresentam seus trabalhos na exposição, que busca divulgar a produção contemporânea de Juiz de Fora (Foto: Renata Dorea/Produção de moda: Larissa Oliveira e Stefany Silva)

Conseguir se destacar no eventual pega-pra-capar do mundo das artes não depende apenas de talento; às vezes, é uma questão de ser visto.

É nesse ponto, então, que a união pode fazer aquela força: é o caso dos cerca de 20 artistas do cenário contemporâneo juiz-forano que apresentam seus trabalhos neste sábado (19), às 15h, na Casabsurda 703, na primeira edição do misto de exposição e feira gráfica “Verniz”, organizado pelos artistas Guilherme Borges, Renata Dorea e Cláudio Jr.

O evento vai além das artes plásticas, incluindo performances, drag queens, artes gráficas, fotografia, tatuagem, dança e vídeo, reunindo uma penca de gente dedicada ao ofício da arte: Augusto Henrique, Andressa Silva, Caroline Gerhein, Eliane Berttocchi, Gogóia, Guilherme Borges, João Vitor Medeiros, Luís Henrique Camargo, Mauricio Nascimento, Maury Paulino, Maré, Monique Oliveira, MI$$ CORA, Paula Duarte, Rafael Costa, Renata Dorea, Raizza Prudêncio, Sarah Silva, Shaira Badaret, Stain, Talitha Reis, Task e Ugo Soares. Ainda haverá espaço para apresentações musicais dos DJs Claudinho e DJ Amandinha, mais RT Mallone, Brackes Mallone e Dona Chapa. A exposição ganhou um catálogo impresso, que depois será disponibilizada on-line. As obras em exposição na mostra coletiva estarão à venda.

Expressividade e diversidade

Guilherme Borges destaca que a “Verniz” foi idealizada por diversos motivos, um deles é a celebração da pluralidade de poéticas possíveis de um grupo de artistas que podem ser considerados muito expressivos, segundo ele. “Acredito que o evento reúne nomes que carregam representatividades bastante diferentes, mas todas muito significativas. Mais do que exaltar nomes e pessoas sistematicamente já consolidadas no circuito, a iniciativa aponta outros expoentes que não ficam atrás em questões de qualidade e profundidade poética”, analisa.

Outro ponto que torna a exposição relevante, de acordo com Guilherme, é a dificuldade de penetração desses artistas independentes em certos meios de divulgação cultural. “Costuma não ser muito fácil, principalmente quando temos a falta de sorte de não fazer parte da cota das exposições mais relevantes do circuito. Acho muito difícil apontar uma saída, mas acredito que a criação de possibilidades (como esta) seja um bom caminho, quando estas não lhe são oferecidas de maneira justa ou meritocrática.”

Manifestações artísticas variadas

Uma das artistas convidadas para o evento é a atriz Caroline Gerhein, que com o percussionista Victor Toledo apresenta uma performance – sem nome – com movimentos inspirados nas danças dos orixás. “Ela surgiu da minha vontade de colocar elementos das religiões de matriz africana no meu trabalho com o teatro. Já havia um tempo que pensava em investir numa performance com essa temática, e mês passado tive a oportunidade de unir isso em uma oficina da Tatiana Henrique, em que pesquisamos possíveis movimentos corporais relacionados aos elementos da natureza ligados aos orixás”, conta. Desses estudos resultou a performance, e Caroline acredita que a “Verniz” seja o evento ideal para apresentar o trabalho.

Artista que se diz “multissetor”, Felipe Stain está envolvido com dança desde 2004 e artes plásticas e grafite desde 2009. Criador da marca Art Style, ele vai apresentar sua produção diversificada, que inclui quadros, troféus, estátuas, latas customizadas e brincos, com temática ligada à cultura negra em geral e o hip-hop. “Acho da hora reunir artistas de várias modalidades. No dia da reunião em que apresentaram o projeto havia muita gente que não conhecia. Muitos eram do IAD (Instituto de Artes e Design), e eu não faço faculdade, não estou no meio dessa galera diretamente, mas faço arte também. É ótimo poder conhecer quem faz arte na cidade, e quem for prestigiar poderá ver diversos estilos, perceber que não tem nada padronizado”, opina.

Artista que já participou de exposições individuais ou coletivas, como o “JF Foto 15”, a fotógrafa Paula Duarte apresenta dois trabalhos, de fases distintas. “Um deles é uma fotografia que já foi exposta mas que tem muito a ver com o outro trabalho, de uma nova fase, que é híbrido. Trata-se de uma aquarela que fiz e imprimi em uma pipa, em homenagem a Marielle Franco (vereadora carioca assassinada a tiros, junto com seu motorista, há pouco mais de dois meses no Rio de Janeiro), e que tem muito a ver com os trabalhos das outras pessoas com quem vou expor”, adianta Paula, claramente animada com a oportunidade de levar sua arte para o público.

VERNIZ
Sábado (19), às 15h, na Casabsurda 703 (Rua Barão de Santa Helena 703)

The post Casabsurda 703 recebe primeira edição da ‘Verniz’ appeared first on Tribuna de Minas.

Clique aqui para ver esta matéria na fonte original.

Anúncios