Estudante da Facom é selecionado para exposição internacional de fotografia


:: UFJF em 12/07/2018 12:57 ::

joo-victor-3-630x420.jpg

O estudante traz para as suas fotos o olhar jornalístico (Foto: João Victor de Medeiros)

O estudante de Jornalismo da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), João Victor Medeiros, 21 anos, foi selecionado para exibir suas fotografias na feira internacional The Other Art Fair, que acontece nos dias 28, 29 e 30 de setembro, em Chicago, nos Estados Unidos.

Para esta exposição foram escolhidos trabalhos de 130 artistas de vários países.

A feira, que tem como intuito valorizar o trabalho independente, começou em Londres, em 2011, e, atualmente, está presente, além do Reino Unido, nos Estados Unidos e na Austrália, com exibições nas cidades de Londres, Bristol, Melbourne, Los Angeles, Brooklyn e, agora, Chicago.

Medeiros tomou conhecimento da feira por meio de sua professora de Artes do ensino médio, Renata Caetano. “Ela me mandou o link, eu fiz a inscrição pelo celular mesmo, coloquei quatro fotos que eu tinha na memória do aparelho e descrevi como era o meu olhar para minhas fotografias.”

A professora acreditou que o estudante teria potencial de expor suas fotografias ao saber da feira. “Sempre acompanho o que está acontecendo nas artes, no Brasil, no mundo. Olho muitos sites. Eu vi essa feira, que é voltada para jovens artistas, buscando colocá-los nesse universo artístico. Conhecendo o trabalho do João imaginei que ele teria condições de participar. Fiquei contente que meu faro esteja bom”, brincou.

joo-victor-2-300x450.jpg

João Victor busca dignificar os fotografados (João Victor Medeiros)

A seleção dos expositores é feita por um comitê referência na área que comunica os escolhidos por e-mail. As fotos do estudante que serão expostas foram registradas no ano passado na tradicional Feira de São Joaquim, na Bahia. O local reúne temperos, alimentos, artigos religiosos, artesanato e elementos típicos da cultura baiana.

Medeiros trabalha com fotografia documental e registra, principalmente, grupos marginalizados, mas evita tipificar as pessoas representadas. “Eu fotografo, mas busco fugir desses estereótipos de miséria, violência, dor. Gosto de contar histórias. Por que uma pessoa da periferia não pode ser feliz?”

O estudante já havia participado de feiras locais e de outros projetos, mas não com a proporção da feira internacional, da qual participa em setembro. “Significa muito para mim porque é uma validação da qualidade do meu trabalho. A comissão da feira é qualificada, então, pessoalmente tenho a felicidade do reconhecimento, além de uma oportunidade excelente de solidificar minha carreira e viver do que eu amo.”

Para ir à The Other Art Fair o estudante está buscando formas de arrecadação, como a venda de suas fotos, de doces, além da procura por patrocinadores. O objetivo principal da exposição não é comercializar as fotografias, porém, haverá reproduções disponíveis em tamanho menor para os interessados.

O olhar

Aos 14 anos João Victor descobriu o gosto pelo cinema, e, assim, o interesse pela imagem seus componentes, como cor, luz e planos. A escolha pelo curso de Jornalismo se deu pelo fascínio com o audiovisual e também com a intenção de se inserir no mercado de trabalho. “Comecei a estudar audiovisual pensando em cinema, mas em um encontro de MCs, em 2014, eu pedi para tirar as fotos do dia. O resultado foi satisfatório e, desde então, comecei a fotografar.”

O universitário traz para suas fotos o olhar jornalístico. “Eu tiro pouca foto. Muitas vezes fico conversando com uma pessoa horas e faço três fotos. Gosto de saber as vivências, faço minhas fotografias enquanto ela conta, sempre buscando dignificar os fotografados”.

joo-victor-1-300x400.jpg

Ternura e cuidado em meio à correria da cidade (Foto: João Victor Medeiros)

Ano passado, ao participar de um workshop, o fotógrafo teve contato com uma frase que o inspirou, rendendo a fotografia que, segundo Medeiros, marcou seus trabalhos. “Eu tinha acabado de sair do evento e ouvi a frase do fotógrafo João Roberto Ripper: ‘quero que as pessoas queiram bem aos meus fotografados’. Isso ficou muito forte na minha cabeça. Vi uma mulher sentada no chão com uma criança e uma flor, não pude evitar fotografar. Fui até ela, conversamos e ela autorizou. Penso em lançar um livro com meu trabalho futuramente”.

Para conhecer mais sobre o trabalho do fotógrafo: Instagram ou Portfólio on-line

Outras informações: jvmedeiros.art@gmail.com

Clique aqui para ver esta matéria na fonte original.

Anúncios