Rodovia é liberada 34 horas após explosão de carreta


:: TM Cidade em 10/08/2018 19:28 ::

Foram cerca de 34 horas de trabalho para liberação da BR-267, na altura da Usina de Marmelos, onde uma carreta bitrem, com placa de Duque de Caxias (RJ), tombou e explodiu, por volta das 8h30 de quinta-feira (9), levando à morte o seu motorista. O corpo do motorista, Júlio César Vieira de Oliveira, de 34 anos, foi retirado da cabine do veículo na manhã desta sexta-feira (10), por volta das 9h. Ele era morador de Duque de Caxias (RJ), na Baixada Fluminense.

O caminhão-tanque transportava 46 mil litros de etanol, quando tombou, pegou fogo e explodiu pelo menos duas vezes. O combustível vazou, e grande parte dele se incendiou, enquanto outra parte evaporou-se. A liberação da estrada ocorreu por volta das 18h desta sexta.

Ao longo do trabalho para retirada do veículo da pista foi necessário o trabalho de 32 militares do Corpo de Bombeiros, cinco viaturas da corporação e 30 mil litros de água para debelar as chamas, além de 20 galões de LGE, um detergente líquido gerador de espuma. A ação também contou com equipes das polícias Militar e Civil, da Settra e apoio de caminhão-tanque da Cesama, com capacidade de 11 mil litros de água, e também de caminhão-tanque do Exército.

Nesta sexta-feira, por volta das 15h, o segundo compartimento da carreta foi retirado da pista, por guincho de grande porte. Um trabalho, segundo o Corpo de Bombeiros, muito difícil, uma vez que a presença de gases poderia provocar nova explosão. O fogo foi debelado com uso de espuma, abafamento e resfriamento. “Nossa ação foi iniciada na quinta-feira, mas teve que ser interrompida devido à grande complexidade da ocorrência em razão de um líquido não volátil e altamente explosivo. Por isso, não vimos segurança para trabalhar no período noturno. Os trabalhos foram retomados, na parte da manhã desta sexta, para retirada do motorista que estava carbonizado no interior da cabine. Em seguida, teve início o trabalho de remoção da carreta. Primeiramente, foi feita a retirada do cavalinho, com uso da espuma através do resfriamento. Depois, a primeira carroceria, quando foi colocada bastante espuma no interior dela para retirar os gases a fim de evitar uma explosão. A segunda carroceria foi retirada no período da tarde, também com uso de espuma num trabalho exitoso”, relatou o tenente do Corpo de Bombeiros, Yuri Eder.

Ele acrescentou que a carcaça da carreta seria entregue a sua empresa proprietária. “A PM esteve no local e verificou a documentação do veículo, constatando que não havia impedimentos. O registro do caso será encaminhado para a PM e para a Polícia Civil.”

Limpeza da via

Após a retirada de toda a carreta da rodovia, foi iniciado o serviço de limpeza, cujo tempo estimado de duração era de quatro horas. Esse trabalho também é considerado complexo, diante da existência do curso d’água na lateral da pista e do derramamento de material químico na via. O serviço foi realizado por uma empresa especializada no atendimento e prevenção a emergências ambientais. “Vamos recolher o material e usar o desengraxante para lavar a pista, recolher o resíduo sólido e líquido. Esse trabalho é importante porque o material que será recolhido traz danos ao meio ambiente e precisa ser destinado a um local adequado”, ressaltou o encarregado geral da empresa, Carlos Eduardo Miranda Silva.

Avaliação de danos ambientais

De acordo com a assessoria de comunicação da Secretaria de Estado de Meio Ambiente, técnicos do Núcleo de Emergências Ambientais (NEA) vão realizar a avaliação de possíveis danos ambientais. Entre eles, a hipótese de derramamento de etanol no leito do Rio Paraibuna. As causas do acidente ainda são investigadas.

Impacto no transporte público

Neste dois dias de rodovia interditada, os ônibus do transporte público coletivo e os carros foram desviados para a Alameda Ilva Mello Reis, no Bairro Santo Antônio, na Zona Sudeste. Já os caminhões, com capacidade de peso acima de 3,5 toneladas, foram orientados a seguir para a BR-040, em direção a Matias Barbosa, através da LMG-874. Agentes do Departamento de Fiscalização da Settra monitoram vias próximas ao local do acidente. As linhas afetadas em razão do tombamento da carreta foram: 301 Usina Quatro (via Granjas Bethel), 302 Floresta, 303 Jardim Esperança, 304 Caeté, 305 Jardim Esperança, 306 Retiro, 308 Retiro, 309 Terras Altas, 313 Sarandira, 315 Jardim Esperança, 335 Granjas Bethel.

O post Rodovia é liberada 34 horas após explosão de carreta apareceu primeiro em Tribuna de Minas.

Clique aqui para ver esta matéria na fonte original.

Anúncios