Cuidado com a saúde dos olhos deve receber atenção especial dos diabéticos


:: Diário Regional em 16/09/2018 07:06 ::

Os dados do Ministério da Saúde apontam que entre 2006 e 2016, o número de brasileiros com diabetes aumentou 61,8%. Com isso, a doença, que antes atingia 5,5% da população, agora atinge 8,9% de pessoas. Entre as mulheres, o índice é de 9,9% e os homens somam 7,8%. Os dados foram fornecidos através da Pesquisa de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel).

Profissionais ressaltam que pessoas diabéticas devem ter uma atenção especial com a saúde dos olhos uma vez que as altas concentrações de glicose no sangue podem levar a diversas doenças oculares.A pessoa que gerencia bem a taxa de glicemia, provavelmente apresenta problemas oculares de menor gravidade ou nem apresente.

Luciano Arantes, Oftalmologista, explica que no início a pessoa não apresenta sintomas desses problemas. “É uma coisa que vai afetando o olho com o passar dos anos. A princípio a pessoa nota alguns sinais, mas quando se tem alterações de fundo de olho, pequenas hemorragias na retina, não tem muito sintoma. É um tipo de cegueira sintomática no início e se não tratada adequadamente desde o início, pode levar a cegueira pela retinopatia diabética”, explica.

A ‘Retinopatia Diabética’ é uma doença que afeta os pequenos vasos da retina e está relacionada ao tempo de doença do paciente e ao controle do perfil metabólico.“Todo paciente diagnosticado ou fazendo tratamento da diabetes tem que fazer uma prevenção da visão”, afirma o oftalmologista.Além disso, Arantes afirma que a diabetes pode ocasionar em glaucoma e catarata. Ele ainda esclarece que esses problemas podem serdescobertos com exames período oftalmológicos, o ‘fundo de olho’. “Quem já tem histórico familiar de diabetes, pessoas hipertensas, precisam fazer o exame anual periódico oftalmológico”, conclui.

TRATAMENTOS

De acordo com o Ministério da Saúde, o Sistema Único de Saúde (SUS), oferece atenção integral e gratuita contra a doença, com ações de prevenção, detecção, controle e tratamento medicamentoso.

A Associação dos Diabéticos de Juiz de Fora (ADJF), entidade filantrópica privada e sem fins lucrativos, oferece suporte para pessoas de baixa renda, com consultas médicas e exames com preços acessíveis.

De acordo com Luiz Oscar, diretor e coordenador do Programa de Prevenção a Cegueira Diabética da ADJF, para obter atendimento da instituição é preciso ser sócio. “Após pessoa passar por uma entrevista para aferir a sua renda e ela é enquadrada em uma faixa de mensalidade e custos”. O preço das mensalidades, das consultas e exames varia de acordo com a classe econômica do paciente. “É tudo muito barato para atender a população que às vezes não consegue usar o SUS e não pode usar o particular”. Ainda segundo Oscar, entidade atende aproximadamente 2.500 pacientes. Por dia,

em média, 100 pessoas são atendidas pela Associação dos Diabéticos de Juiz de Fora.

Clique aqui para ver esta matéria na fonte original.

Anúncios