Ibope aponta movimento típico de 2º turno já na 1ª etapa


:: Kennedy Alencar em 18/09/2018 22:37 ::

A pesquisa Ibope divulgada hoje sugere que já está ocorrendo no primeiro turno da eleição presidencial um movimento típico de segundo turno.

O discurso de voto útil contra o PT surtiu efeito a favor de Jair Bolsonaro (PSL), que saiu de 22% em 20 de agosto para 28% no levantamento divulgado hoje. O sentimento contra o conservadorismo representado por Bolsonaro se mistura ao “efeito Lula” para turbinar Fernando Haddad (PT), que dá um salto de 4% para 19% no mesmo período.

Nesse intervalo de tempo, Marina Silva (Rede) sofreu uma sangria de votos. Ela caiu de 12% para 6%.

Apesar do enorme tempo de propaganda no rádio e na TV, a campanha de Geraldo Alckmin manteve o tucano estacionado. Ele tinha 7% em 20 de agosto e marcou os mesmos 7% agora.

Provavelmente, houve uma troca no eleitorado de Ciro Gomes (PDT). Ele parece ter perdido votos para Haddad no eleitorado tipicamente lulista e conquistado uma parcela do segmento de centro-esquerda que o acha mais competitivo para derrotar Bolsonaro na segunda etapa. Ciro tinha 9% em 20 de janeiro e está com 11% hoje (18 de setembro).

*

Duelo feroz

O crescimento de Bolsonaro não sugere hoje possibilidade de vitória em primeiro turno. Ele teria de abocanhar eleitores em velocidade maior para almejar tal conquista em 7 de outubro. Também precisaria reduzir a sua alta rejeição (42% no Ibope). O general Mourão tem dado ajuda no sentido contrário. E o eleitorado feminino é seu calcanhar-de-aquiles.

A velocidade do avanço de Haddad sugere que ele pode chegar rapidamente ao patamar de 24%, taxa de preferência partidária pelo PT medida pelo Datafolha. Para ultrapassar esse patamar e competir pela dianteira com Bolsonaro, Haddad precisará continuar a ser beneficiado pelo “efeito Lula” e demonstrar bom desempenho nas sabatinas e debates. É improvável que Haddad consiga sonhar com vitória no primeiro turno.

Outros candidatos precisariam derreter para dar Bolsonaro ou Haddad no primeiro turno. Há muitos competidores no jogo.

O mais provável é que esse movimento típico de segundo turno consolide a polarização entre Bolsonaro e Haddad e exiga uma segunda etapa para resolver o duelo, que promete ser duro.

*

Sinal importante

Menos conhecido do que Bolsonaro, Haddad já empata com o candidato do PSL na simulação de segundo turno. Ambos apresentaram 40%.

*

Comentários no rádio

No “Jornal da CBN – 2ª Edição” de hoje, há comentário sobre o balanço de um ano de Raquel Dodge à frente da Procuradoria Geral da República. Ela atuou com mais equilíbrio e está checando consistência de acordos de delação. É atitude positiva para o Ministério Público, para a Lava Jato e para o Brasil.

Houve análise sobre o bola fora do general Mourão, que foi preconceituoso ao se referir a famílias chefiadas por avós e mães. O novo pedido de impeachment do prefeito do Rio, Marcelo Crivella (PRB), não pode ser usado como remédio contra governo ruim.

Vale ouvir a entrevista com o secretário de Tecnologia da Informação do TSE, Giuseppe Janino, que apresenta argumentação sólida a respeito da segurança da urna eletrônica.

Ouça os comentários de hoje:

Clique aqui para ver esta matéria na fonte original.

Anúncios