III Oficina de Inserção Produtiva debate migração e planejamento empresarial em GV – Notícias UFJF


:: UFJF em 01/11/2018 18:39 ::

img_2762-300x200.jpg

Devani (segunda da esq. para dir.) conduziu o evento nesta quarta. (Foto: Maria Clara Leite)

Estudantes, profissionais e convidados se reuniram, nesta quarta, para a terceira edição da Oficina de Inserção Produtiva do campus Governador Valadares da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF-GV).

O encontro promoveu debate sobre Migração e Planejamento Empresarial, abordando conceitos como planejamento pessoal e empresarial com a aplicação de ferramentas úteis para a construção, busca e alcance de objetivos.

A atividade está vinculada ao projeto de extensão em interface com a pesquisa “Inserção social e produtiva dos brasileiros retornados do exterior para a Microrregião de Governador Valadares”. Para a coordenadora do projeto, o evento promoveu a troca de saberes, colocando como desafio “entender o planejamento empresarial enquanto ferramenta útil para aqueles que almejam alcançar objetivos, garantindo um eficaz gerenciamento das ações com foco nos resultados e no seu monitoramento”, destacou a Técnica em Assuntos Educacionais da UFJF-GV, Devani Tomaz Domingues.

img_2759-300x200.jpg

Schirley Policário debateu
a importância da gestão pessoal. (Foto: Maria Clara Leite)

O evento abordou aspectos relacionados à saúde mental e emocional do trabalhador migrante, bem como o enfrentamento e a busca pela superação das dificuldades que envolvem o processo de readaptação ao meio social e produtivo, após o retorno. A atividade contou com a presença de pesquisadores no campo do planejamento empresarial e da migração internacional, abordando temas relacionados a resultados de pesquisas desenvolvidas na cidade de Governador Valadares e seu entorno. Para debater a temática do Planejamento Empresarial, participaram as professoras do Departamento de Ciências Contábeis, Schirley Maria Policário e Raquel Berger, e ainda o Técnico-Administrativo da UFJF-GV, Leonardo Alexandrino de Almeida. Para a troca de saberes sobre migração internacional o evento contou com os pesquisadores externos Lídia Azevedo Brandes, Rafael Barbosa Lucas, Sandra Nicoli e Sueli Siqueira.

Segundo Schirley, “a eficácia do planejamento estratégico está diretamente ligada ao autoconhecimento do migrante e seu planejamento pessoal”. Leonardo explicou, por sua vez, que a proposta de sua colaboração no evento foi oferecer uma perspectiva geral sobre planejamento empresarial aos emigrantes e seus familiares. “Considerando que boa parte desses emigrantes abrem novos empreendimentos, apresentei principalmente o planejamento estratégico, que seria o planejamento que o empreendedor precisa fazer para minimizar as possibilidades de erros e aumentar as chances de sucesso”.

img_2671-300x200.jpg

Convidados ministraram debates entre os participantes. (Foto: Maria Clara Leite)

Leonardo apresentou tópicos importantes na estrutura básica necessária para um planejamento estratégico, abordando a necessidade de definir “estratégia, missão, visão e valores que vão nortear o empreendimento, bem como o planejamento de marketing, que seria o estudo do produto, praça, preço, promoção”. Ele destacou também a importância do planejamento financeiro, e também de procedimentos como fluxo de caixa, ponto de equilíbrio, projeções de receitas e despesas, custos fixos, variáveis e plano de implementação. O administrador destaca que esses estudos são essenciais para se diminuir a taxa de insucesso comumente vista nos empreendimentos da cidade.

“Em Governador Valadares há um público muito considerável que costuma ter o recurso para investir, e mesmo assim acaba se aventurando em negócios antes de fazer uma pesquisa de mercado. Então, a intenção era apresentar o básico para subsidiar uma busca por conhecimento antes de essas pessoas iniciarem o empreendimento propriamente”.

Ao analisar o legado do evento, Devani destaca que além da fala de especialistas sobre a migração internacional e de técnicos em planejamento de negócios, a atividade promoveu a troca de relatos de familiares de emigrantes, levantando aspectos subjetivos e expondo sobre a cultura migratória e seus efeitos na cidade de Governador Valadares. “Conversamos sobre as dificuldades enfrentadas pelos emigrantes internacionais quando retornam ao país de origem, no que diz respeito ao processo de readaptação ao meio social e redefinição de planos para uso do dinheiro conquistado e economizado no exterior. Na oficina, construímos, de fato, um ambiente de acolhimento e aprendizado”, finalizou.

Clique aqui para ver esta matéria na fonte original.

Anúncios