Empresa israelense é acusada de ajudar Arábia Saudita a espionar jornalista assassinado


:: El Pais em 03/12/2018 19:49 ::

A conexão de Israel com o caso Khashoggi emerge com novas revelações judiciais. Um ativista saudita exilado no Canadá, Omar Abdulaziz, abriu uma ação judicial neste domingo, 2, em um Tribunal de Tel Aviv contra a empresa israelense de segurança digital NSO, que vende a instituições públicas o programa Pegasus, capaz de roubar informação de usuários de celulares e computadores. Conforme informou o jornal Haaretz nesta segunda-feira, 3, Abdulaziz, amigo e confidente do jornalista assassinado Jamal Khashoggi, denunciou através de um advogado de Jerusalém que a NSO entregou o malware Pegasus a “regimes opressores que violam a legislação internacional”.

Também afirma que o software de espionagem foi usado para interceptar mais de 400 mensagens via WhatsApp que os dois trocaram entre outubro de 2017 e agosto deste ano, dois meses antes do assassinato de Khashoggi no Consulado de seu país em Istambul, em 2 de outubro.

Seguir leyendo.

Clique aqui para ver esta matéria na fonte original.

Anúncios