Fórum Popular de Extensão: como articular Universidade e Movimentos Sociais? – Notícias UFJF


:: UFJF em 07/12/2018 10:10 ::

ana-livia-forum-300x217.jpg

Diversos movimentos sociais, professores, TAE’s e alunos se reuniram para discutir articulações (Foto: Twin Alvarenga)

Como articular os projetos de extensão desenvolvidos pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) às reais demandas dos movimentos sociais da cidade e região? O questionamento norteou as atividades do 1° Fórum Popular de Extensão da UFJF na tarde desta quinta-feira, dia 6, no campus sede.

Cerca de 50 pessoas, entre representantes de diversos movimentos sociais, professores, técnico-administrativos em educação e alunos, debateram como a Universidade pode intervir de maneira mais efetiva na sociedade.

Na mesa de abertura do evento, a vice-reitora Girlene Alves da Silva agradeceu aos integrantes de movimentos sociais pela disponibilidade para a interlocução com a Universidade. A professora também destacou o compromisso da instituição com o acesso e a permanência dos estudantes das classes populares aos cursos de graduação e, consequentemente, com a melhoria de vida da população.

“O momento exige de nós muito mais perseverança. Exige de nós uma política para a área da educação que faça com que os nossos estudantes entrem e permaneçam na Universidade. Para além do acesso, garantir a permanência dos nossos estudantes talvez seja a possibilidade concreta de transformarmos a nossa sociedade. Quase dois terços dos estudantes das universidades públicas sobrevivem com renda per capita inferior a 1,5 salário mínimo. Não estamos falando de uma parcela qualquer da população. Precisamos fazer com que este estudante entre e se forme, mas também vá para a sua comunidade com a perspectiva de contribuir para a melhoria de vida da população.”

O diretor de Ações Afirmativas, Julvan Moreira de Oliveira, ressaltou os avanços promovidos pela Lei de Cotas, que garante a reserva de vagas nas instituições federais de ensino para estudantes oriundos de escolas públicas, negros, indígenas e pessoas com deficiência. “É muito importante recebermos os movimentos sociais. A Lei de Cotas ‘mudou a cara’ da Universidade. Isso é uma conquista desses grupos, é produto de muitas lutas. A extensão universitária está estreitamente relacionada aos movimentos sociais. Esse diálogo entre a Universidade e a sociedade civil organizada é fundamental ”.

“Encontrar os pontos de gargalo”

A pró-reitora de Extensão, Ana Lívia Coimbra, frisou que a intenção do 1° Fórum Popular é inverter prioridades no ambiente acadêmico e, além disso, contribuir para que os estudantes se tornem profissionais envolvidos com as demandas sociais.

“Esta iniciativa é pioneira. Produzimos ensino, pesquisa e extensão. Temos excelentes cursos e projetos, mas muitas vezes não ouvimos os movimentos sociais. Para mudar essa realidade, é preciso encontrar os pontos de gargalo. É preciso ouvir esses grupos e, a partir daí, elaborar os programas de extensão”, destacou.

Confira o vídeo:

Clique na imagem para ver o vídeo:
0.jpg

O evento teve como palestrante a doutora honoris causa pela UFJF e integrante do Coletivo Vozes da Rua, Adenilde Petrina. A militante, além de um dos principais nomes dos movimentos sociais de Juiz de Fora, é ex-aluna do curso de Filosofia da UFJF. “Conhecer é ter poder. Quem não sabe vira massa de manobra. É muito importante buscar esse entrosamento entre a Universidade e a periferia. Mas é importante, principalmente, que quem está na academia reconheça que nós queremos é trocar saberes. Nós temos o nosso conhecimento também”, reiterou.

Confira o vídeo:

Clique na imagem para ver o vídeo:
0.jpg

Após a mesa, os participantes, dividiram-se em grupos de trabalho (GTs), para diálogo e elaboração de documento com as demandas a serem apresentadas à UFJF. Foram criados os GTs “Movimento Sindical”, “Movimento Social”, “Combate às Opressões”, “Associações de Moradores”, “Economia Solidária, Agroecologia e Luta pela Terra.”

As reivindicações apresentadas pelos movimentos organizados abrangem temas que variam do universo do trabalho ao acesso à saúde e à educação, além de segurança pública e a inserção da temática das desigualdades de maneira transversal nos currículos dos cursos da UFJF.

No campus avançado de Governador Valadares, a primeira edição do Fórum Popular de Extensão de Governador Valadares ocorreu em outubro deste ano.

Saiba mais:

Fórum Popular aproxima extensão universitária e organizações sociais

Outras informações: nasco.extensao@ufjf.edu.br – Nasco

Clique aqui para ver esta matéria na fonte original.

Anúncios