Polícia conclui que, mesmo depois de mortos, mãe e filhos continuaram sendo agredidos


:: TM Região em 07/12/2018 21:40 ::

Nove dias após as mortes de Talia Aparecida do Nascimento, 17 anos, Sophia Gabriele da Silva, de 1 ano e 5 meses, e Calebe Emanuel da Silva, 7 meses, a Polícia Civil concluiu o inquérito do caso. O homem, 43, foi indiciado por homicídio qualificado, por motivo torpe e meio cruel, impossibilitando a defesa das vítimas, pela prática do feminicídio (homicídio no contexto de violência doméstica) e por ter praticado o primeiro assassinato para assegurar a execução dos outros.

Além disso, ele poderá responder por ocultação dos cadáveres, uma vez que teria cometido os crimes e trancado os corpos dentro do imóvel onde morava com a família por três dias. Os corpos só foram descobertos após vizinhos sentirem o forte odor que vinha do imóvel. O episódio violento aconteceu no Bairro Vila Monteiro, mais conhecido como Apagão, na pequena cidade de Lima Duarte, situada a cerca de 60 quilômetros de Juiz de Fora.

O inquérito do caso foi concluído nesta sexta (7), pelo delegado José Márcio de Almeida Lopes, e remetido à Justiça. O pai das crianças e marido da adolescente foi preso três dias após o crime. Ele confessou a prática criminal e alegou ter matado por esganadura primeiro a mulher, depois a criança e, por último, o bebê. O motivo para o crime bárbaro, segundo a Polícia Civil, seria pelo fato de o sogro não aceitar o relacionamento . Em depoimento, o homem disse que “preferia ver a mulher morta do que se separar dela”. Ele, no entanto, não esclareceu o motivo de ter assassinado os filhos.

Durante as investigações, o delegado José Márcio ouviu os pais da adolescente morta e, em seus depoimentos, eles disseram que não aceitavam o relacionamento da filha com o suspeito, devido à diferença de idade entre os dois, mas que conviviam com ele. Ainda segundo os pais da jovem, o homem, depois de ficar hospitalizado, estaria com receio de perder o convívio com a família. O motivo da internação não foi informado pela polícia. Outras pessoas também depuseram e afirmaram que o homem acreditava que alguém poderia estar falando dele para o sogro. No domingo, dia em que ele afirmou ter cometido os homicídios, teria seguido até uma mercearia para comprar leite. Ele estaria sujo, chorando bastante e reafirmando a história que o pai de sua esposa queira atrapalhar seu relacionamento com a companheira. Questionado sobre a família, rapidamente ele saiu do local e “passou a chorar desesperadamente”.

Necropsia

Os laudos de necropsia apontaram que as vítimas tiveram traumatismo crânio-encefálico, inclusive com afundamento de crânio e perda de massa encefálica. Um das vítimas teve lesões pós-morte e estava com um tecido no interior da cavidade oral. Isso leva a crer que mesmo depois de morta, as agressões e o estrangulamento teriam continuado.

O post Polícia conclui que, mesmo depois de mortos, mãe e filhos continuaram sendo agredidos apareceu primeiro em Tribuna de Minas.

Clique aqui para ver esta matéria na fonte original.

Anúncios