Empresária de JF é apontada como líder de esquema criminoso


:: TM Cidade em 15/03/2019 15:40 ::

trafico-divulgacao-pm2.jpegSuspeita de tráfico de drogas é conduzida pela PM na Avenida Itamar Franco (Foto: Divulgação/PM)

Uma empresária, 29 anos, foi presa em Juiz de Fora e apontada como líder da organização criminosa ligada ao tráfico de drogas e à lavagem de dinheiro, alvo da operação Bereshit, desencadeada pelo Ministério Público nesta quinta-feira (14).

No total, 18 pessoas foram presas durante a ação, que tinha como objetivo desbaratar o esquema que tinha braços em Juiz de Fora, Ubá e Visconde do Rio Branco. Ao todo, cerca de R$ 4 milhões em bens foram apreendidos, entre dinheiro em espécie e cheques, além de 80 automóveis, um jet ski, computadores, celulares e uma arma. Foram cumpridos 26 mandados de busca e apreensão e 18 de prisão temporária nos três municípios da Zona da Mata, inclusive em presídios. Das 18 prisões, uma ocorreu em Juiz de Fora, duas em Visconde do Rio Branco e 15 em Ubá.

Em Juiz de Fora, a empresária foi presa em um apartamento na Avenida Itamar Franco, no São Mateus, Zona Sul, onde o alvo seria um casal tido como líder da organização. O marido dela não foi localizado. No imóvel foram encontrados diversos documentos, computadores e celulares que poderiam conter informações sobre a contabilidade do esquema e contatos de venda de drogas. Os materiais encontrados no apartamento foram apreendidos e encaminhados ao Ministério Público, na cidade de Ubá. A proprietária do apartamento foi encaminhada para uma unidade prisional de Juiz de Fora.

trafico-divulgacao-pm1.jpegEntre os itens apreendidos estão notebooks, passaportes, celulares e chaves de automóveis (Foto: Divulgação/PM)

Anel de brilhante

Nesta sexta-feira (15), a Polícia Militar detalhou que foram apreendidos dois notebooks, um veículo, R$ 32.960, um anel de brilhante, dois pen drives, cartões de banco, 20 folhas de cheques de valores diversos e de vários bancos, seis chaves de veículos, duas balanças de precisão, três agendas de contabilidade, dois passaportes, documentos diversos de contabilidade e várias mídias.

A operação foi deflagrada pelo Ministério Público de Minas Gerais por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) de Visconde do Rio Branco. Dois suspeitos ainda estão foragidos. Os presos foram encaminhados para presídios nos três municípios.

Foram alvos da investigação empresários que seriam responsáveis pela lavagem do dinheiro da organização criminosa. A ação contou com apoio da Polícia Militar e da Secretaria de Estado de Administração Prisional (Seap), mobilizando 90 militares, agentes e promotores de justiça, além de mais de 30 viaturas, cães treinados e um helicóptero da PM.

Infrações graves

Outras operações deflagradas durante as investigações resultaram na apreensão de mais de 100kg de maconha, 3kg de crack, 2kg e 214 pinos de cocaína, além de R$ 15 mil. Também foram reunidas “contundentes provas do funcionamento de uma organização criminosa, com atuação na cidade de Ubá e Visconde do Rio Branco, voltada à prática dos crimes de tráfico de drogas, associação para o tráfico, lavagem de dinheiro e outras graves infrações”, como informou o Ministério Público.

Ainda segundo a instituição, a ação foi batizada de Bereshit – palavra hebraica que significa “em princípio” -, em referência à história do início dos tempos, marcando também o começo dos trabalhos realizados em parceria entre o Grupo de Combate às Organizações Criminosas (GCOC) da PM de Visconde do Rio Branco e o Gaeco Regional Zona da Mata no combate à criminalidade violenta.

O post Empresária de JF é apontada como líder de esquema criminoso apareceu primeiro em Tribuna de Minas.

Clique aqui para ver esta matéria na fonte original.